Os cuidados com os testes de COVID-19

Boletim Informativo
Coronavírus – COVID-19
07/2020

Paciente de 33 anos fez dois testes que não detectaram a infecção pelo novo Coronavírus; recomendação foi para que ele ficasse em casa.

Um homem de 33 anos morreu no dia 19/06/2020 de Covid-19 em Primavera do Leste, próximo a Cuiabá, no Mato Grosso, após realizar dois testes que resultaram negativos. Ele deu entrada na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da cidade no dia 12/06/2020.

Anteriormente, a mulher dele apresentou  os sintomas da Covid-19. Ela ficou em isolamento domiciliar, pois apresentava bom estado de saúde apesar da infecção pelo novo Coronavírus. Dias depois, o paciente  também apresentou sintomas e permaneceu isolado em casa. O primeiro teste com resultado negativo foi feito em uma clínica particular.

Por não apresentar melhoras no quadro clínico, o paciente foi encaminhado para a UPA e, após a realização de exames, foi recomendado que ele continuasse em casa em isolamento. Um dia depois, devido a piora de seu quadro de saúde, foi colocado em oxigenoterapia, em sequência, transferido para uma UTI em Rondonópolis, vindo a óbito 5 dias  depois.

Um novo teste realizado confirmou o diagnóstico de Covid-19.

Este relato nos traz a importância de uma avaliação clínica criteriosa, independente dos testes realizados atualmente no mercado. NADA deve ser mais importante que a avaliação médica e, como dizemos em medicina: a “Clínica é Soberana”. Sempre devemos levar em consideração que os exames são COMPLEMENTARES e não o fim no diagnóstico dos pacientes.

Logo, como até mesmo farmácias estão autorizadas a realizar o “teste rápido”, é IMPRESCINDÍVEL que o mesmo seja avaliado por um médico a luz dos sinais e sintomas de cada paciente individualmente.

Esclarecendo: o teste que detecta o Coronavírus no início dos sintomas é o RT-PCR, pois o imunológico pode demorar para positivar e, mesmo assim, dependendo do tempo dos sintomas, pode apontar como resultado “falso negativo”. Isto nos leva a necessidade premente da utilização de outros métodos diagnósticos e, principalmente, da avaliação clínica criteriosa, principalmente em pacientes sintomáticos.

TOP