Eficiência das Máscaras N95

Boletim Informativo
Coronavírus – COVID-19
05/202

Máscaras N95 vindas da China podem não ser eficientes segundo alerta da Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou no dia 12 de maio, que máscaras modelo N95 adquiridas da China podem não ser eficientes e determinou a interdição cautelar do uso desses produtos como respiradores em serviços de saúde.

O alerta veio da Food and Drug Administration (FDA), que revogou a autorização de uso emergencial a diversas máscaras do tipo N95, PFF2 ou equivalentes que haviam sido autorizadas no contexto atual da pandemia do novo coronavírus.

Máscaras N95 não efetivas

Especialistas do National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) testaram 67 máscaras importadas para os Estados Unidos e descobriram que 60% não bloquearam 95% das partículas.

A máscara típica do N95 deve bloquear 95% das partículas do ar, que podem incluir bactérias infecciosas e partículas virais. Um KN95 é equivalente a uma máscara N95, mas projetado para atender aos padrões chineses de máscaras, que são ligeiramente diferentes dos americanos.

Máscaras N95 podem ser descontaminadas, afirmam pesquisadores

Existem diversos métodos eficazes para descontaminar máscaras N95 para reutilizá-las, segundo pesquisadores do Instituto Nacional Controle Qualidade em Saúde (INCQS/Fiocruz).

Uma parte substancial da pesquisa já mostrou que as máscaras projetadas para uso único podem ser usadas mais de uma vez durante uma crise. Em março, o Centro de Controle de Doenças (CDC) autorizou a reutilização devido à escassez causada pela pandemia de Covid-19.

Nas últimas semanas, a Food and Drugs Administration (FDA) emitiu aprovações de emergência para diversos sistemas de descontaminação de máscaras.

O novo estudo, realizado nos laboratórios Rocky Mountain, do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas, utilizou novos coronavírus vivos para testar o material das máscaras. O trabalho determinou que processos de descontaminação eram mais eficientes e como eles afetavam a integridade desses equipamentos.

O estudo demonstrou que a descontaminação funciona tão bem para o novo coronavírus quanto para influenza e para bactérias.

Gestão de Saúde Victory

TOP