ATÉ A VACINA FICAR PRONTA, OS ANTICORPOS DA COVID-19 SERÃO O SUFICIENTE?

Uma vacina pode demorar cerca de 10,7 anos para passar por todos os testes clínicos necessários até a sua aprovação e distribuição a uma determinada população. Há nove meses o mundo enfrenta a pandemia do novo coronavírus, que já deixou quase 900 mil mortos segundo o monitoramento em tempo real da universidade americana Johns Hopkins — e a perspectiva de esperar mais tempo do que isso parece ser pedir demais para a saúde pública e as economias no mundo todo, mas, ainda mais prejudicial do que a espera, pode ser a pressa para uma vacina que não tenha sua eficácia e segurança comprovadas. Até lá, tratamentos com base em anticorpos e plasma serão capazes de frear a situação?

São vários os estudos que procuram entender melhor como funciona a criação de anticorpos da covid-19, por quanto tempo eles duram e se é possível (realmente) criar uma imunidade à doença sem uma vacina.

Nos Estados Unidos, o Food and Drug Administration (FDA), espécie de Anvisa americana, aprovou o uso emergencial de plasma no tratamento do coronavírus. Até o dia 24 de agosto, cerca de 70 mil pessoas foram tratadas com os anticorpos encontrados em amostras sanguíneas de pessoas que se recuperaram da doença — tanto em testes quanto em indivíduos com quadros graves. Segundo o órgão, o tratamento demonstrou bons resultados em testes iniciais — apesar disso, novos testes precisam ser feitos para confirmar a eficácia dele.

Para o doutor Celso Granato, infectologista e diretor clínico do grupo Fleury, os dados em relação ao tratamento por plasma são controversos. “Isso está relacionado que você só utilizar anticorpos de uma forma muito aleatória ainda é muito pouco. Não existe uma unidade internacional para avaliar a concentração desses anticorpos e nem contra quais pedaços do vírus eles são produzidos”, conta.

Granato explica que os anticorpos por si só não o suficiente para impedir uma infecção. Isso porque, além deles, é preciso que o corpo tenha uma resposta imune ao vírus. “Sabemos que os anticorpos têm uma curva, alguns são produzidos logo no ínicio da doença, enquanto outros são produzidos mais posteriormente, mas teve gente que teve a doença em fevereiro e março que ainda os tem. Mas eles são apenas uma parte da proteção. Nossa resposta imune é muito mais complexa. Quando você tem uma infecção, você os produz, mas também tem uma resposta imunológica que costuma ser muito mais eficiente na defesa do que a resposta dos anticorpos — e é um trabalho conjunto, um ajuda o outro. Mas sempre fazemos as duas respostas”, afirma.

E a diferença entre uma vacina e um eventual tratamento com base em anticorpos é grande. “A vacina será usada para induzir a formação de anticorpos e uma resposta imune celular no indivíduo. Já os anticorpos serão dados para quem já está infectado a fim de tentar minimizar os efeitos da doença”, diz. Granato também acredita que as chances de as duas coisas (um tratamento para os doentes e uma vacina) serem aprovadas para o uso ao mesmo tempo são altas.

Uma pesquisa sobre a resposta do sistema imune em relação à covid-19 aponta que, mesmo sem a produção de anticorpos contra o vírus, um indivíduo pode produzir células capazes de destruir a doença em casos de reinfecção — os chamados linfócitos T, células reativas que ajudam o organismo na defesa de infecções.

O estudo encontrou linfócitos T “robustos” em casos de pessoas que tiveram quadros leves, graves ou assintomáticos da covid-19. Segundo os pesquisadores suecos, a memória das células do corpo humano são prováveis de “desenvolver uma proteção imune duradoura ao vírus”, mesmo quando as pessoas não produzem anticorpos contra a doença. Para chegar a essa conclusão, foram analisados os casos e amostras sanguíneas de 206 moradores da Suécia.

Outra pesquisa, feita com base em um vírus semelhante por pesquisadores de Singapura, informa que a proteção contra o vírus podem ser “lembrada” por anos pelo organismo humano. As células T, por exemplo, ainda estão ativas contra o vírus Sars (também da família coronavírus) 17 anos depois da infecção.

Do outro lado, cientistas também tentam encontrar formas de transformar nanocorpos em tratamentos viáveis contra o SARS-CoV-2.

Recentemente, pesquisadores do Instituto Karolinska, na Suécia, encontraram um nanocorpo em alpacas que pode prevenir infecções do vírus em humanos. Segundo os pesquisadores, o nanocorpo tem o “potencial de ser desenvolvido como um tratamento antiviral” para a doença e apresenta vantagens sobre os anticorpos considerados convencionais, como o fato de ser 10 vezes menor e mais fácil de produzir em larga escala.

O que se pode concluir é que até termos uma vacina não existe uma proteção capaz de evitar o contágio pelo vírus — mas usar máscaras podem ajudar a evitar o espalhamento da doença. O caminho, ainda, é longo. 

Fonte: https://exame.com/ciencia/ate-a-vacina-ficar-pronta-os-anticorpos-da-covid-19-serao-o-suficiente/

TOP