ASTRAZENECA DIZ QUE VACINA DA COVID-19 AINDA PODE FICAR PRONTA EM 2020

Os testes da vacina contra o novo coronavírus desenvolvida em parceria com a universidade britânica de Oxford e a farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca foram pausados nesta terça-feira, 8, após um dos voluntários apresentar sintomas que podem ter relação com a proteção. Padrão em pesquisas científicas, em tempos de covid-19, a pausa preocupou as pessoas ao redor do mundo — mas não há motivo para pânico.

Segundo o jornal britânico The Guardian, o presidente da AstraZeneca, Pascal Soriot, afirmou que a vacina ainda pode ficar pronta neste ano. Soriot não sabe ao certo quando os testes retornarão, uma vez que isso depende da avaliação do comitê responsável pela vacina, mas afirma que a companhia e a universidade estão “no caminho para ter uma data para submeter a vacina para aprovação regulatória no final de 2020”. Se atrasar, ele acredita que a vacina ficará pronta “no máximo no começo do ano que vem”.

“É muito comum que testes sejam pausados, e muitos especialistas te dirão isso. A diferença é que com outros testes de vacinas, o mundo inteiro não está de olho, é claro. Eles param, eles estudam, e recomeçam”, afirmou Soriot.

A vacina está sendo testada em cerca de 60 mil pessoas ao redor do mundo, inclusive no Brasil. Ela está atualmente na fase 2/3 de testes na Inglaterra e na Índia e na fase 3 no Brasil, na África do Sul e em mais de 60 locais nos Estados Unidos — onde a vacina será testada em 30 mil pessoas. É também considera a opção mais avançada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A paciente que ficou doente pode ter tido uma mielite transversa, doença causada por um processo inflamatório na medula espinhal, comumente causado por infecções virais — mas, segundo Soriot, ainda não se sabe ao certo qual foi a doença e testes estão sendo feitos.

Em nota enviada à EXAME, a Universidade Federal de São Paulo – Unifesp (uma das responsáveis pelos testes da vacina da universidade britânica do Brasil) afirmou que, por aqui, “o estudo envolve cinco mil voluntários e avança como o esperado”. “Muitos já receberam a segunda dose e até o momento não houve registro de intercorrências graves de saúde”, afirmou a universidade.

Chamada de ChAdOx1 (AZD1222), a proteção de Oxford e da AstraZeneca é baseada no adenovírus (grupo de vírus que causam problemas respiratórios, como resfriados) enfraquecido de um chimpazé. A vacina do Instituto de Biotecnologia de Pequim em parceria com a empresa chinesa CanSino também é feita com base no adenovírus, que não é um processo totalmente desconhecido pelos cientistas.

A opção também contém a sequência genética das espículas do SARS-CoV-2. “Quando a vacina entra nas células dentro do corpo, ela usa o código genético para produzir as espículas de proteínas do vírus. Isso induz a uma resposta imune, o que prepara o sistema imunológico para atacar a doença se ela infectar o corpo”, explica a universidade britânica em um comunicado publicado em seu site oficial.

Soriot também disse que a vacina será distribuída igualmente entre os países uma vez que for aprovada e que a AstraZeneca será capaz de fabricar até 3 bilhões de doses. Ele também afirma que está confiante que, com todas as vacinas que estão sendo desenvolvidas por outras empresas, o mundo todo conseguirás e proteger do vírus que já deixou mais de 27 milhões de infectados.

A corrida pela cura

Nunca antes foi feito um esforço tão grande para a produção de uma vacina em um prazo tão curto — algumas empresas prometem que até o final do ano ou no máximo no início de 2021 já serão capazes de entregá-la para os países. A vacina do Ebola, considerada uma das mais rápidas em termos de produção, demorou cinco anos para ficar pronta e foi aprovada para uso nos Estados Unidos, por exemplo, somente no ano passado.

Uma pesquisa aponta que as chances de prováveis candidatas para uma vacina dar certo é de 6 a cada 100 e a produção pode levar até 10,7 anos. Para a covid-19, as farmacêuticas e companhias em geral estão literalmente correndo atrás de uma solução rápida.

Quais são as fases de uma vacina?

Para uma vacina ou medicação ser aprovada e distribuída, ela precisa passar por três fases de testes. A fase 1 é a inicial, quando as empresas tentam comprovar a segurança de seus medicamentos em seres humanos; a segunda é a fase que tenta estabelecer que a vacina ou o remédio produz, sim, imunidade contra um vírus, já a fase 3 é a última fase do estudo e tenta demonstrar a eficácia da droga.

Uma vacina é finalmente disponibilizada para a população quando essa fase é finalizada e a proteção recebe um registro sanitário. Por fim, na fase 4, a vacina ou o remédio é disponibilizado para a população.

Com isso, as medidas de proteção, como o uso de máscaras, e o distanciamento social ainda precisam ser mantidas. A verdadeira comemoração sobre a criação de uma vacina deve ficar para o futuro, quando soubermos que a imunidade protetora realmente é desenvolvida após a aplicação de uma vacina. Até o momento, nenhuma situação do tipo aconteceu.

Fonte: https://exame.com/ciencia/astrazeneca-diz-que-vacina-da-covid-19-ainda-pode-ficar-pronta-em-2020/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOP